HCT@Mundo

“O HCT é favorito!”

Fez todo o percurso no HC Turquel até atingir o escalão de seniores onde ainda assistiu, viveu e sentiu o regresso dos BdQ ao pavilhão, as enchentes, a cumplicidade entre os que estão nas bancadas e os que estão em rinque. Em 2010 rumou à Alemanha, onde permaneceu por 2 épocas e se sagrou Campeão Nacional, tendo ainda participado nas competições europeias.

Em vésperas do confronto entre o HC Turquel e os alemães do Darmstadt, recuperámos a memória, e fomos ter com quem nos conhece bem e quem de nós melhor conhece o hóquei em patins alemão, Luís Coelho, para uma pequena antevisão desta eliminatória da Taça CERS.

DSC_1227BdQ|Aldeia – Luís, sendo tu um BdQ de formação e coração, e tendo passado pelo hóquei alemão, como antevês esta partida?

Luís Coelho – Sem dúvida, BdQ de formação e coração. Sou da “escola HCT” e tendo passado também pelo hóquei alemão consigo identificar facilmente algumas diferenças. A minha previsão é de um jogo em que o HCT vai assumir a posse de bola e vai controlar as operações. Porém as equipas alemãs são organizadas e persistentes. Dificilmente vão dar o jogo por perdido até ao fim. O contra-ataque é uma das suas armas fortes. Talvez seja cliché repetir que o hóquei alemão já não é o que era há 20 anos, remates de meia-distância o jogo todo, mas de facto esta é a verdade. O hóquei alemão mudou muito e neste momento as equipas são desenvolvidas técnica e tacticamente. Resumidamente, estou seguro que o jogo vai ser dominado pelo HCT, mas com o Darmstadt sempre perigoso e a responder com as armas possíveis.

BdQ|Aldeia – Na tua opinião qual a equipa que parte favorita à passagem da eliminatória?

Luís Coelho – O HCT é favorito! Por todos os motivos: melhores como equipa, melhores individualmente, melhores fisicamente e por fim é importante ressalvar que o jogo do HCT em casa será com o ambiente que já conhecemos e irá ajudar enormemente a equipa. A “desculpa” da falta de experiência nas competições europeias não se aplica porque o Darmstadt também não é uma equipa de presença muito regular nestas provas. Ou seja, tudo a acontecer sem coisas extraordinárias à mistura, o HCT passará à próxima eliminatória.

BdQ|Aldeia – O que dirias aos teus colegas turquelenses sobre esta equipa alemã?

Luís Coelho – No fundo diria o que já lhes disse: sejam competentes, joguem como sabem e desfrutem desses belos momentos de hóquei em patins. Se assim o fizerem, estou seguro que ainda vão apanhar muitos aviões para disputar jogos das eliminatórias da Taça CERS.

Ao Luís, obrigado pela disponibilidade, colaboração e confiança. Nas bancadas, vamos vencer. No rinque, esperamos concretizar o teu prognóstico!

Sábado, às 21h, na nossa casa, HC Turquel x Darmstadt, não faltes!

sonhar, ao longe!

para muitos dos BdQ, o palco dos sonhos em loures vai ser uma realidade vivida a cores e sons, que se quer com gritos, sorrisos, abraços e pulos, de alegria.

para outros, muitos outros, a realização da Gala HCT impede-os de estar presente. e depois há outros, como eu, que estão demasiado longe para viver o sonho presencialmente, ou até para o viver no meio de BdQ entre a preparação da Gala.

e para estes, e aqueles que vão andar na correria habitual de preparação a festa d’Aldeia, foi hoje anunciada a solução:

a AP Lisboa Tv transmite a Final 4 de Loures.

e assim, no sábado, aqui em Luanda, lá estarei eu no meio dos cadeirões e mesas que existem no meio do parque de estacionamento do condomínio, naquele sítio onde os mosquitos atacam (que às 18:30 já é noite), forrada de repelente, a olhar para o computador e a sofrer aos soluços, porque a internet é melhor na rua, mas só dá aos soluços.

e ao lado do computador o telefone, porque mesmo com as imagens, a informação que me chega de quem está lá, a ver a cores e a ouvir os sons, é a mais importante de todas.

e ao lado do computar, ao lado do telefone, bem preso ao meu pulso, o cachecol. aquele que passeia pelo mundo.

 

se há coisa que no hóquei em patins me orgulha é isto: não nos dão espaço nas tv’s e jornais? nós inventamos espaço, criamos solução. o que não fazemos é deixar os adeptos e amantes da modalidade sem acesso a ela.

e por isso, sábado às 18:30, eu vou gritar, pular, sorrir, perder a voz e sonhar, ao longe.

Somos BdQ. Somos d’Aldeia!

C’est une maison française, certainement!

(É uma casa francesa com certeza!)

É domingo, 26 de Maio, Final da Taça de Portugal, dia de festa no Jamor e em… Trébédan!

935299_10200434676882656_1904719934_n

Trébèdan é uma pequena comuna [cerca de 400 habitantes], situada na região francesa da Bretanha, onde reside uma significativa e muito bem integrada, comunidade portuguesa.

A hora do jogo aproxima-se, começam os rituais, e quando se vai buscar o cachecol do Benfica… o do HCT vem atrás e… por momentos, esquece-se o jogo.
Canta-se:
“Sou do Hóquei Clube Turquel e bem alto gritarei, na vitória ou na derrota!”.

A seguir contam-se histórias…
Fala-se da saudade, sempre a saudade, dos amigos com que se rumava ao pavilhão…
Fala-se do que significa a HCT TV para quem está tão longe do nosso pavilhão…
Fala-se das idas ao pavilhão do HC Dinan Quevert (campeão de França), que fica a 11km, para matar as saudades, do hóquei ao vivo
Fala-se dos jogadores que em jogos como o HC Quevert-Física ou HC Quevert-Candelária, vêm até junto da bancada, agradecer o apoio daquele cachecol…

Entretanto o meu Benfica perde a Taça, mas o que é isso comparado com as histórias daquele cachecol?

E regresso a Turquel com a certeza que o cachecol que fica em Trébèdan e todos os outros espalhados por esse mundo fora, ajudam a matar saudades, a encurtar distâncias, a ultrapassar as derrotas e a amar Turquel.

401107_10200434676802654_101677593_npor FilipePS